Aumenta trabalho e diminui violência com operação Verão da Polícia de Torres

Presença ostensiva de homens da lei nas ruas causa ordem, conforme afirma delegado ao jornal A FOLHA

Celso Jaeger (FOTO) recebe aumento significativo de pessoal durante Operação Verão da Polícia Civil que iniciou antes do Natal e que se encerra em março
29 de Janeiro de 2018

Encerrou na quarta-feira, dia 23 de janeiro, a primeira fase da operação Verão da Polícia Civil de Torres da edição deste veraneio. A segunda fase já está em andamento e vai até início de março. Neste primeiro momento a delegacia de Torres recebeu um incremento de 25 agentes de polícia e cinco delegados, vindos para dar suporte à estrutura normal do estabelecimento de segurança local. Na ‘baixa temporada’, a Polícia Civil em geral conta com 20 agentes e um delegado para cumprir a jornada mensal de trabalho – incluindo investigação, administração e plantões. Isso mostra o aumento percentual significativo na equipe durante o veraneio, quando também aumenta por quatro a população local.

 

Aumento de trabalho 

 

Conforme informou para A FOLHA o delegado titular da delegacia de Torres, Celso Jaeger, o trabalho tem aumentado na delegacia, embora os atendimentos tenham se concentrado mais em serviços ordinários – como emissão de carteiras ou outras certidões. “Parece que o povo está acreditando mais na polícia nos últimos tempos” comemora o delegado.
Com janeiro já acabando, Jaeger comemorava que não havia sido registrado nenhum homicídio em Torres neste começo de 2018 (entretanto, poucos dias após a entrevista ocorreu o caso de um indivíduo assassinado no balneário Itapeva). Houve aumento de 30% nas prisões em flagrante por tráfico de drogas, grande aumento no número de flagrantes por furto (que chegou a oito casos neste ano) e pequeno aumento nos casos de flagrante pela Lei Maria Da Penha. Mas diminuíram os casos de prisão em flagrante por Receptação, Estelionato e Moedas Falsas. E foram três as prisões em flagrante por embriaguez ao volante (contra três no ano anterior, se equivalendo).
Conforme o mesmo delegado, o número de registro de trabalho (ocorrências e encaminhamentos ao judiciário) foi maior neste ano. Mas a sensação é de que a segurança está mais latente aqui por Torres. Para Celso Jaeger, “é notória a eficiência da maior presença de policiais nas ruas. Serve para que os bandidos corram dos lugares ou evitem realizar delitos nas cidades onde, como Torres atualmente, haja a presença forte e visível de Policiais Militares e Civis trabalhando”, conclui.


Publicado em: Policial






Veja Também





Links Patrocinados