Assinar do jornal impresso? Clique aqui.
Torres, RS, 30 de Abril de 2017.

ENTREVISTAS APRESENTAM CANDIDATOS DO PMDB E DO PP À PREFEITURA DE TORRES
Seg, 29 de Agosto de 2016 13:20

Na foto, Candidato Carlos Souza, do PP (e) e candidato Alessandro, do PMDB (d)

 

Por Fausto Júnior
________________

 

Já no início da campanha eleitoral, os candidatos a prefeitura de Torres estão participando de entrevistas de apresentação inicial das propostas na rádio Maristela AM de Torres. Os quatro candidatos irão ter seu espaço igualitário na rádio, conforme informa o site da emissora torrense. Mas o jornal A FOLHA, até quinta-feira, dia de fechamento desta edição semanal, somente teve possibilidade de decupar as entrevistas dos candidatos Alessandro Bauer Pereira - concorrente no pleito pela coligação PMDB, PSDB, PSD e PR - e do candidato Carlos Souza - concorrente no pleito pela coligação PP, PT, PDT, PTB, Rede e PSB.

Consequentemente e por uma questão de respeito aos outros dois candidatos à prefeitura de Torres, o jornal A FOLHA se compromete em divulgar o conteúdo das outras duas entrevistas, que estarão na próxima edição (do dia 27 de agosto), quando já devem ter sido realizadas pela rádio Maristela, mantendo o mesmo critério das duas atuais, que são publicadas nesta matéria abaixo.

 

APRESENTAÇÃO E VISÃO 

Alessandro Bauer, do PMDB, se apresentou da seguinte forma: 43 anos, criado na Vila São João, filho de agricultor que passou a ser construtor civil e de professora pública que lecionou na comunidade próxima à Vila, Barro Cortado.

 Sintetizando o que espera fazer como prefeito de Torres, ele afirma que “a cidade merece ser mais bem cuidada e que, para isto, necessita de alguém que cuide dela como se fosse um filho", o que para Alessandro não aconteceu nos últimos anos. Ele acha que o Turismo, a principal produção da economia local, deve aumentar simplesmente pelo incremento da vinda dos turistas e veranistas, assim como de uma espécie de “invernistas”: os que vêm passear e fazer turismo em Torres fora da temporada. E, para isto, Alessandro acha que, além de cuidar bem da cidade, há de se aumentar os atrativos para que pessoas venham para Torres. Melhoria dos eventos está entre o que o candidato acha que deve ser feito.

 Já Carlos Souza tem 51 anos e se apresentou também pessoa que vem de uma família tradicional da Vila São João, criado lá em uma coincidência com a origem de Alessandro.

Sintetizando, disse que o que quer para Torres como prefeito é fazer gestão. Com isto, Carlos acha que poderá diminuir a máquina pública e administrar como conhece o sistema de administração da iniciativa privada. Ele acha que esta eficiência pode melhorar a vida das pessoas como um todo.

No Turismo, que é parte da vida profissional do candidato Carlos (dono de imobiliária e de pousada) o candidato do PP acha que a melhoria da Saúde, da Educação e da mobilidade urbana acabam servido para a melhoria do Turismo local.  Para Carlos, “ter uma cidade mais moderna é dar aos turistas um melhor lugar para visitar”.

 

SAÚDE: COM PROBLEMAS E COM SOLUÇÕES DIFERENTES

Na SAÚDE, Alessandro acha que a cidade está empacada no sistema. Para o candidato do PMDB, o afunilamento está na incapacidade de atendimento inicial à demanda por falta de um sistema de exames médicos que possam agilizar o diagnóstico dos casos demandados.  Outra falha vista por Alessandro no atual sistema de Saúde é a falta de estoques regulares de remédios para tratamento dos doentes. Para ele isto é um problema sério, porque o paciente acaba não agindo apoiado pelo sistema público. Como plano para a Saúde Pública, Alessandro quer implantar um sistema ágil de exames locais e um sistema confiável de manutenção de estoques de medicamentos.

 Já o candidato Carlos Souza, do PP, comemora que seu vice é um especialista em Saúde e acha que “ninguém conhece melhor a saúde como um médico”. Mas o pepista alerta que o sistema de saúde em todo o Brasil está ultrapassado e que o financiamento do setor é problema. Ele exemplifica com a tabela do SUS, que ainda é baseada em números da década de 1990 passadas.

Carlos sintetiza que quer também melhorar o sistema de Saúde com gestão eficiente dos recursos disponíveis e do pessoal, assim como conta com a experiência do seu vice-prefeito, Dr. Amoretti como o técnico dos padrões da medicina.

 

IDEIAS DIFERENTES TAMBÉM PARA A EDUCAÇÃO

Na EDUCAÇÃO pública, o candidato do PMDB Alessandro Bauer acha que o município deveria fazer uma campanha de matrículas nas redes municipais, incentivando mais gente que tradicionalmente matricula as crianças em escolas estaduais, no ensino fundamental, para que inscrevam seus filhos nas escolas municipais.  Para o candidato peemedebista “isto vai aumentar o número de estudantes registrados no FUNDEB pela cidade de Torres, o que consequentemente, por força de lei, aumenta proporcionalmente os recursos repassados para a cidade pelo governo federal”. Estes recursos poderiam ser usados para aumento de salas de aula necessárias para a demanda das creches, lembra o candidato. Alessandro lembra, também, que o índice aluno/professor nas escolas de  Torres é muito baixo se comparado com a média do Estado e do Brasil. E, justamente por isto, a cidade pode aumentar as matrículas do ensino fundamental, sem prejudicar o ensino.

Manter as crianças DENTRO da escola o maior tempo possível envolvendo alunos e famílias em projetos pedagógicos e sociais: esta é parte da formula objtivada pelo candidato peemedebista.

O candidato Carlos Souza elogiou bastante o sistema de ensino torrense. Comemorou uma premiação internacional recebida pelo governo atual, por conta do método pedagógico. Para ele, a ação necesária para a educação seria de terminar com o gargalo que não permite que sejam preenchidas todas as vagas demandadas para crianças de 0 a 3 anos nas creches (parte das E.M.E.I.S). A solução para o pepista seria de economizar recursos através, também, de um bom sistema de gestão dos recursos humanos e financeiros, para que haja reservas econômicas suficientes para a construção de mais uma Escola de Educação Infantil em Torres. Buscar a construção de uma nova creche é um dos focos da política do PP para a Educação

Carlos lembrou (e comemorou também) o projeto do governo atual, de Nílvia Pereira, do qual seu PP é parte, onde a merenda escolar é adquirida de produtores familiares e ecológicos da cidade e região.

 

PMDB QUER SAIR DO EX-HOTEL BEIRA MAR. PP QUER MANTER-SE LÁ.

A polêmica compra do ex-hotel Beira Mar pelo governo Nílvia, em 2013, também foi assunto pautado pelo  apresentador da  rádio Maristela, Padre Leonir Alves, nas entrevistas com os candidatos do PMDB, Alessandro Bauer e do PP Carlos Souza. E as posições dois candidatos se mantiveram iguais às posições de 2013: O pepista defendendo o governo Nílvia pela compra e o peemedebista criticando.

Alessandro afirma que o clamor crítico foi grande a época da compra. Ele acusou o fato do processo de não ter dado chance ao debate. Para o projeto do PMDB, portanto, a ideia é “tentar vender” a atual sede da prefeitura, que funciona em três andares do hotel (que tem 13). O diagnóstico de Alessandro é que, além do prédio não ser o certo para o funcionamento da administração, a cidade deveria descentralizar os serviços públicos, desafogando o trânsito e o movimento urbano em geral, da região central para bairros. Conforme Alessandro diagnosticou, a construção de uma prefeitura iria, inclusive, criar outro centro de desenvolvimento para Torres, uma evolução urbana.

 Já o candidato do PP, Carlos Souza, se for eleito, diz que será no novo centro administrativo que pretende despachar. Como corretor de imóveis, o pepista lembra que o negócio foi certo porque foi barato para a municipalidade. Para ele, a prefeitura, se quisesse vender o prédio do novo centro administrativo depois de construir uma nova sede, conseguiria fácil e sobraria muito dinheiro.

Mas o pepista acha que agora o certo seria reformar os andares que são necessários para centralizar os serviços da municipalidade no prédio do ex-hotel Beira Mar, atual prefeitura de Torres. Somente após isto, a ideia de nova mudança poderia entrar em pauta.

 

 CARLOS QUER O ESTACIONAMENTO ROTATIVO; ALESSANDRO CRITICOU TENTATIVA DE IMPLANTAÇÃO  

 Na entrevista para a Rádio Maristela, quando entraram na questão do ESTACIONAMENTO ROTATIVO em Torres - polêmico porque foi interrompido em sua implantação por decisão judicial - Alessandro Bauer afirmou que o sistema próximo de sua implantação se mostrou totalmente arrecadatório.  O peemedebista acha que o tema é importante, mas que tem de ser debatido com os comerciantes, que necessitam em alguns casos do sistema, mas que precisam ser mais consultados.  O peemedebista lembra que sua opinião e de colegas do partido foram sempre no sentido de mudar partes do sistema, antes da implantação, como, por exemplo, uma espécie de carência (tempo mínimo sem cobrança), o valor da tarifa e outras demandas, mas “não houve respaldo da administração”, conforme ele.

Alessandro criticou também a licitação. Pare ele não houve concorrência, pois uma empresa de fora disputou praticamente sozinha a licitação. Mas no final o candidato afirmou que o tema é relevante, mas tem de fazer parte de outros fatores como a mudança e melhoria do transporte público, por exemplo.

 Já o candidato do PP Carlos da Delta entende que o Estacionamento Rotativo deve, sim, ser adotado pela cidade.  Ele acha que o sistema proporciona mobilidade urbana e outras vantagens. Mas defende que haja mais debate sobre o assunto.

 

 OS DOIS CANDIDATOS DEFENDEM MAIS INVESTIMENTOS NOS ESPORTES

O último tema elencado pela entrevista na rádio Maristela com dois dos candidatos da eleição em Torres para a prefeitura - Alessandro Bauer pelo PMDB e Carlos Souza pelo PP - foi o ESPORTE.

Para Alessandro o esporte é uma forma de introdução saudável das crianças no mundo e na sociedade. Ele acha que o governo atual não investiu energias nem recursos nesta forma social de inclusão. Para Alessandro, que joga futebol e treina alguns clubes de bairro eventualmente,  Esporte e Cultura fazem parte do dia-a-dia das cidades. Ele acha que este governo não investiu nestas duas áreas essenciais para a cidadania. Ele defende a volta dos campeonatos locais assim como defende o incentivo aos artistas da cidade.

Já Carlos da Delta, do PP também é desportista. Ele afirma que o certo nos investimentos de esporte e cultura é que os projetos tenham começo, meio e fim. Assim, Carlos disse que pretende implantar o sistema de apoio ao esporte em Torres levando em conta estes premissas.

 

*Com informações da Rádio Maristela AM 

 
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner