Assinar do jornal impresso? Clique aqui.
Torres, RS, 30 de Abril de 2017.

Comandante da BM de Torres dá panorama da segurança e pede participação ativa da população
Dom, 11 de Setembro de 2016 22:28

FOTO: Capitão Fábio Hax Duro 

 

Por Guile Rocha
______________

O capitão Fábio Hax Duro, veio da  cidade de Rio Grande para Torres em 08 de dezembro de 2014. Em busca de uma melhor qualidade de vida por aqui, assumiu o comando da 2ª Companhia do 2° BPAT (Batalhão de Policiamento de Área Turística), que fiscaliza os pelotões de seis municípios da região: Torres, Arroio do Sal, Dom Pedro de Alcântara, Três Cachoeiras, Morrinhos do Sul e Mampituba. E nesta terça-feira (06) o jornal A FOLHA conversou com o capitão Hax para elucidar alguns pontos relativos ao serviço de segurança pública exercido pela Brigada Militar aqui na região.
Fazendo um balanço do seu trabalho nestes últimos 21 meses como comandante da BM aqui em Torres, o Capitão Hax se disse bem satisfeito em relação a cidade  e ao efetivo com a qual trabalha. "Embora estejamos passando por dificuldades na questão do parcelamento de salário, os policiais não deixaram a comunidade desassistida, continuaram com as missões e demonstrando resultados operacionais positivos. Obviamente o comando fica um pouco desestimulado, mas sem abandonar o dever. E esperamos sempre a participação ativa da população, por isso pedimos que liguem para o tridígito 190 sempre que saibam de atividades suspeitas".
 

Intensificação do policiamento na Vila São João e arredores 

Começamos nossa conversa abordando uma questão que vêm tirando o sono de moradores da região periférica ao centro de Torres: os assaltos a estabelecimentos comerciais que vem ocorrendo recorrentemente nas margens da BR-101, em localidades como Vila São João, Itapeva, Dom Pedro de Alcântara, etc. E o Capitão Hax afirmou que, no final do mês de agosto, participou de uma reunião junto à Associação do Bairro da Vila São João, onde o presidente da associação comunicou ao comandante da BM esse problema. "Estamos atentos a esta questão, temos um planejamento específico para a Vila São João e arredores, com foco na abordagem de motocicletas e pedestres em situação suspeita. Além disso, nosso batalhão está realizando patrulhamento também com motocicletas, o que possibilita maior agilidade (inclusive em situações de perseguição). E  contamos sempre com o apoio da comunidade, que deve ligar para o 190 e passar informações (anonimamente) sobre suspeitos de crimes".
O comandante da BM em Torres nos citou 5 ocorrências (e  7 prisões) que foram efetuadas entre os dias 04 de agosto e 01 de setembro, na Vila São João e comunidades do entrono da BR-101. Três destes casos tinham relação direta com o tráfico de drogas, mas os outros dois casos levaram a prisão de suspeitos de alguns dos roubos realizados na região (sendo que um dos casos envolvia um menor de idade, de apenas 13 anos, que foi apreendido com uma moto preta furtada).  Estas ações, conforme ele, ilustram o resultado da intensificação do policiamento na área da Vila São João.
Capitão Hax também informou que, em todo estado, a Brigada Militar vêm realizando a Operação Avante, que tem como base um sistema informatizado que faz um acompanhamento das estatísticas criminais, demonstrando os dias, turnos e locais de maior incidência dos crimes. "Utilizando esta ferramenta conseguimos efetuar planejamento mais eficiente para combater alguns índices expressivos por região. Essa questão dos assaltos na Vila São João e entorno, por exemplo, foi constatada estatisticamente. Também possuímos uma relação afinada com a Polícia do Passo de Torres, trocamos informações constantemente."

Questão de efetivo 

O jornal A FOLHA indagou, ao comandante da Brigada Militar local, se ele pensava que  efetivo da polícia ostensiva em Torres (e cidades próximas) está adequado para a demanda durante a baixa temporada. Capitão Hax falou que - frente aos cada vez maiores desafios da segurança pública no RS - são necessários mais policiais para a demanda atual  não apenas em Torres, mas em nível estadual também. "Entretanto, por aqui compensamos (a baixa quantidade de efetivo) muito pela qualidade do pessoal.  Nossa tropa produz bastante resultado operacional. Tivemos também um incremento de horas extras importante há alguns meses, o que possibilita fazer o emprego de ações policiais diferenciadas, como o uso de motocicletas (em operações e patrulha)". O Capitão Hax também destacou que Torres, dentre as principais cidades do Litoral, é considerada a mais tranquila, com os menores índices de criminalidade. "Em razão de fatores como a proximidade com a capital e a região metropolitana, as região de Cidreira e Tramandaí concentram mais ações criminosas".
Em relação as principais ocorrências aqui na cidade (e região de abrangência do 2° BPAT), o capitão Hax constata que há muitos casos relacionados ao tráfico de drogas (e de posse de substâncias ilícitas), mas o furto ainda é o de maior incidência. " São recorrentes casos de furto a residências de veranistas, furto aos comércios. O número de roubos na verdade não tão grande mas chama mais atenção (pela violência ou grave ameaça que implica).
 

Expectativas quanto a nova gestão da prefeitura 

Outro assunto, levantado pelo jornal A FOLHA,  foi em relação as expectativa do comando local da Brigada Militar em relação as medidas para a área da segurança a serem aplicadas pela próxima gestão - que assumirá após as eleições municipais. "Independente de partido, o governo municipal que assumir apoiaria bastante a segurança pública se colocasse as câmeras de videomonitoramento em funcionamento, uma forma de coibir ações criminosas.", informou o Capitão Hax, lembrando que as câmaras de vigilância -  entregues para as prefeituras do litoral faz anos pela Amlinorte (Associação dos Municípios do Litoral Norte) não estão em funcionamento aqui em Torres. "O problema é a falta de manutenção das mesmas. Prefeituras de outras cidades, como Capão da Canoa, arcaram com a responsabilidade da manutenção e tem as câmeras em funcionamento"
O comandante destacou que outra ideia importante seria instituir agentes municipais de trânsito, para tirar a responsabilidade de fiscalizar e multar veículos da Brigada Militar . As atribuições relacionadas ao trânsito são da prefeitura,  mas é firmado convênio com a BM quando o município não tem condições de arcar com a responsabilidade, como em Torres. "Mas isso não é bom, porque perdemos muito tempo em fatos de menor relevância, e deixamos de nos envolver tanto em casos mais sérios".
 

Da delinquência aos moradores de rua 

Quanto as questões de vandalismo e delinquência - como pichações e destruição do patrimônio público e privado - o Comandante da BM local afirmou que, quando é acionada, a BM vai averiguar estes casos. "Mas eles (delinquentes) atuam geralmente pela noite, madrugada, de forma furtiva, por isso é difícil coibir. Penso que a causa dessa delinquência é a falta de educação das pessoas, que não tem a visão de que aquilo (patrimônio) é de todos, e não apenas dele. Más é caso de crime também, questão de dano qualificado pelo fato de ser patrimônio público".
A problemática dos moradores de rua em  Torres também foi debatida: "Acontece de pessoas entrarem em contato (com a Brigada Militar) e reclamarem dos moradores de rua que incomodam, que estão se apropriando de certos espaços (para dormir e deixar seus pertences). Mas se os tirarmos de onde estão ficando, o que se faz com eles? Além do mais, se o proprietário não reclamar não tem o que fazer", constata Hax. O comandante da BM informa que, se um proprietário sentir-se ofendido  pela presença dos moradores de rua em sua propriedade, deve entrar com um pedido de reintegração de posse. Ele ressalta também que é usual que, entre os moradores de rua, haja pessoas com antecedentes criminais  "Percebemos que alguns de fora se instalam por aqui um tempo e depois vão embora. Mas não temos como dar destino para eles (moradores de rua). E na verdade eles não se envolvem em muitas ocorrências criminais, trata-se mais de um problema social", conclui Hax.

 

 

 

 

 
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner