Assinar do jornal impresso? Clique aqui.
Torres, RS, 26 de Abril de 2017.

Em propaganda na TV Globo exaltando nossas praias, imagens de Torres ganham destaque
Seg, 03 de Abril de 2017 16:23

 

 

A publicidade da Globo é só mais uma entre tantas que destaca nossas imagens (como a da Guarita, na foto) na rede televisiva nacional. O jornal A FOLHA aproveita a ocasião para refletir sobre o efeito destas produções sobre a marca turística Torres 

Por Guile Rocha

____________

 

O turismo é um dos setores que mais dependem da publicidade como forma de divulgar circuitos, vender pacotes  e incentivar a população a visitar cidades do seu próprio estado/país, para movimentar a economia do local. E Torres, já há algum tempo, vem ganhando uma visibilidade diferenciada a partir do uso de sua imagem em propagandas televisivas, veiculadas em populares emissoras e ligadas a sólidas marcas.

 A mais recente é uma propaganda da TV Globo, atualmente em circulação, que faz uma exaltação as praias do litoral brasileiro, aludindo com belas imagens que temos 2000 praias em nosso país e suas vocações, convidando o turista a visitá-las. E nesta publicidade - que vêm sendo veiculada várias vezes no canal mais popular da televisão aberta, com capacidade sem paralelo de influenciar a cultura e a opinião pública - Torres é um dos locais que mais tem imagens de suas paisagens aparecendo. Entre outras badaladas praias brasileiras (como Fernando de Noronha e Rio de Janeiro), quatro tomadas mostram diversos ângulos da nossa Praia da Guarita, e uma outra apresenta a vista de um paraglider saindo do Morro do Farol.

 

Entre publicidades e seu retorno

 

Conforme levantamento organizado pelo jornal A FOLHA - a partir de informações fornecidas pela Prefeitura de Torres - foram feitos 16 requerimentos (junto a prefeitura de Torres) para gravações de propagandas ou videoclipes no Parque da Guarita entre setembro de 2015 e agosto de 2016. Neste período, multinacionais e empresas como Natura, Boticário, Vivo, Rede Globo, Lifan e Renaut realizaram vídeos institucionais ou publicitários utilizando as imagens do nosso principal cartão postal. E de agosto de 2016 até agora, outras grandes marcas como Bradesco, BR Petrobrás (Ipiranga) e a própria Rede Globo veicularam propagandas com paisagens de Torres - ainda que estes comerciais não citem o nome de Torres,específicamente.

Não temos as ferramentas necessárias para mensurar, efetivamente, quais são os benefícios financeiros que a utilização dos cenários de Torres para gravações comerciais trazem para a cidade. No entanto, as empresas pagam uma taxa de uso público que equivale a R$ 0,50 UFM (Unidade Fiscal Municipal) por metro quadrado utilizado, o que equivale, aproximadamente, a R$ 110 por cada comercial - um valor bastante baixo em relação aos altíssimos custos de produção e divulgação televisiva desses comerciais.

A secretária do Turismo de Torres, Carla Daitx, nos informou que, ao assumir seu cargo junto a prefeitura, pensou na criação de um taxa para uso de imagem de Torres em comerciai, gerando alguma receita para o município. No entanto, ele diz ter mudado de ideia - após conversar com gestores do turismo de Gramado e Canela e refletir sobre as vantagens da mídia espontânea em comerciais. "É muito bom que a imagem de Torres veicule, de graça, em propagandas que circulam em alguns dos principais canais de TV do país. Certamente reforça nossa marca. Em Gramado e Canela, por exemplo, a gestão do turismo fica muito feliz com a divulgação da marca, da imagem local. Por lá eles não pensam que deve-se cobrar das empresas por este uso de imagem, mas sim agradecer", destacou Carla. Entretanto, a ideia sobre a cobrança de um taxa para uso de imagem de Torres em comerciais ainda não está descarta.

 

Turismólogo aponta problemas com definição de público-alvo e branding

 

A visibilidade gratuita que a marca Torres conquista a partir das propagandas televisivas é inegável. Mas isto não é o suficiente para 'alavancar' um turismo qualificado para Torres, conforme o turismólogo, administrador e especialista em marketing Roni Dalpiaz, Para ele, tudo começa pela identificação do público-alvo que queremos atingir. "Se soubéssemos para quem oferecer o produto ‘Torres’ poderíamos prepará-lo adequadamente e assim teríamos uma imagem consolidada, assim como um slogan e consequentemente uma percepção de marca frente ao público em geral. Assim, mediante a mínima amostra de qualquer símbolo da cidade (como o exemplo da propaganda quase ‘subliminar’ veiculada na Globo) a resposta seria: Torres".

Roni pensa que é problema antigo de Torres (e dos gestores locais) a falta de gestão da marca Torres (o chamado Branding). Ele lembrou que, no começo do século passado, o primeiro a trabalhar com isso foi o pioneiro José Picoral, que destacou os rochedos como encantadores e a natureza ímpar do lugar e também cunhou o primeiro slogan: 'A rainha das praias'. "Mais tarde virou a ‘Mais bela praia gaúcha’, e depois a ‘Capital do Balonismo’. Como se vê, não foi mantido um slogan que pudesse ajudar a identificar a cidade destacando o que ela tem de melhor: as três Torres a beira mar, o que pode ser visto em poucos lugares no mundo. Torres também já foi conhecida como a praia das elites, do público classe A (também herança do velho Picoral), e isso foi um diferencial a favor da cidade, embora muita gente discorde".

Portanto, o turismólogo pensa que Torres (e seus gestores) deve parar de ‘atirar para todos os lados' e identificar logo o seu público-alvo. "A partir disso, deve-se direcionar as ações para este público, inclusive construir uma nova marca, buscando posicioná-la para este público -  juntamente com o resgate da história da marca Torres, e a definição do seu valor. Ou seja, gerir sua marca com profissionalismo para que quando surgir qualquer imagem, palavra ou slogan em qualquer mídia, seja de pronto identificada: é Torres!"

 

 

 

 

 
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner