MUSEUS: O SILÊNCIO E O ECO

Museóloga que atua em Torres relembra o Dia Internacional do Museu, comemorado dia 18 de maio

Imagem do museu Três Torres, na SAPT
19 de Maio de 2017

 

“Museus e histórias controversas – dizer o indizível em museus” é o tema da 15ª Semana Nacional dos Museus. Esta semana foi criada para divulgar as programações das instituições museológicas do país durante este período em comemoração ao Dia Internacional de Museus, 18 de maio.

Este dia foi criado por iniciativa do ICOM – Conselho Internacional de Museu no ano de 1977. A cada ano elege-se um tema que será interpretado através de atividades em cada instituição, divulgando o papel dos museus na sociedade.

Os museus são espaços que instigam, provocam, despertam a curiosidade, os pensamentos críticos, poéticos, imagéticos e éticos. São locais de contemplação, compreensão, preservação, propagação dos sentidos, sentimentos, conhecimentos, proporcionando trocas de experiências e aprendizado. São agentes do desenvolvimento local, salvaguardam a memória através de suportes como objetos, fotografias, mapas, e outras tipologias de acervo.

São espaços para o silêncio e para o eco. Para dizer o indizível.

O eco refere-se ao vazio. E o silêncio à contemplação. Ou seria o eco da propagação de ideias. E o silêncio do vazio?

Os museus desempenham suas funções sociais conforme as demandas das sociedades a que eles estão inseridos, no tempo e/ou no espaço. São locais grandiosos, muitas vezes não por sua área construída e infra estrutura, mas pela potencialidade e riqueza que seus acervos apresentam. Por vezes são pouco explorados e somado ao pouco investimento, os museus padecem, minguam e desaparecem. Ficam calados, em silêncio. O eco que se propaga em locais vazios parece ensurdecedor. Difícil dizer o indizível quando não existe a comunicação dos museus com seus públicos e com seus órgãos gestores.

A cidade de Torres tem muito que aprender com os museus. O eco e o silêncio são constantes nestes espaços culturais. O alento está em acreditar que os museus da cidade de Torres possam germinar. Crescer e ocupar seus espaços, atrair pessoas, receber e transmitir conhecimento e energia. Que sejam dignos de valorização e recebam suas devidas atenções.

Há esperança de melhorias para este setor. Há de se pensar na relevância que o patrimônio cultural, natural, histórico, arquitetônico, arqueológico, artístico, entre outras manifestações apresentam no desenvolvimento local. Influencia diretamente o turismo, a geração de empregos, a opção de equipamentos culturais, a preservação e valorização da memória e identidade local.

Que após este Dia Internacional dos Museus, celebrado no mundo todo, possamos refletir sobre a grandiosidade que são estes locais e o quanto podemos aprender com eles.

 

*MUSEÓLOGA COREM RS 0184 – DIRETORA DO MUSEU TRÊS TORRES – SAPT


Publicado em: Cultura






Veja Também





Links Patrocinados