Vacina contra febre amarela disponível também em Torres

A vacinação pode ser realizada no Posto Central toda terça e quinta-feira

16 de Janeiro de 2018

Devido a Secretaria Estadual da Saúde (SES) ter recomendado a vacinação contra a febre amarela para todos os municípios do Rio Grande do Sul, em especial aos do Litoral e proximidades (um total de 34 cidades), a Secretaria de Saúde de Torres informa sobre o acesso da população e este serviço. A estratégia adotada pela SES é preventiva em função do surto de febre amarela que atinge os estados de São Paulo, Rio de Janeiro Espírito Santo, Minas Gerais e Bahia. A vacinação pode ser realizada no Posto Central toda terça e quinta-feira, das 8h às 12h e das 13h às 17 h.

De acordo com o enfermeiro das imunizações de Torres, Renan Emerim Monteiro, da Vigilância Epidemiológica, a cobertura da vacina na cidade é baixa, pois não era recomendada para população em geral, somente para pessoas que fossem se deslocar para áreas de risco. Quem nunca fez nenhuma dose da vacina pode procurar a sala de vacina do Posto Américo Muniz dos Reis, de forma tranquila, sem correria para a vacinação, recomenda o técnico. Lembra que em 2009 ocorreu uma campanha da vacina, onde muitas pessoas já foram imunizadas, quem realizou em 2009 ou em qualquer outro ano não precisa de reforço, salienta.

Pessoas que planejam viajar para áreas de risco, é recomendado realizar a vacina dez dias antes da viagem. A vacina não estáindicada para gestantes, imunodeprimidos e idosos, estas pessoas somente serão vacinadas com recomendação médica, avaliando os riscos e benefícios da imunização.

 

Sobre a Febre Amarela

 

A febre amarela é uma doença febril aguda, causada por um arbovírus (vírus transmitido por mosquitos). Os primeiros sintomas são inespecíficos, como febre, calafrios, cefaleia (dor de cabeça), lombalgia (dor nas costas), mialgias (dores musculares) generalizadas, prostração, náuseas e vômitos. Após esse período inicial, geralmente ocorre declínio da temperatura e diminuição dos sintomas, provocando uma sensação de melhora no paciente. Em poucas horas – no máximo, um ou dois dias – reaparece a febre, a diarreia e os vômitos têm aspecto de borra de café.

Os casos de febre amarela no Brasil são classificados como silvestre ou urbana, uma vez que o vírus transmitido é o mesmo. A diferença entre elas é o mosquito vetor envolvido na transmissão. Na urbana, o vírus é transmitido ao homem pelo mosquito Aedes aegypti. Desde 1942 não é registrado nenhum caso no Brasil. Na silvestre, os mosquitos dos gêneros Haemagogus e Sabethes transmitem o vírus e os macacos são os principais hospedeiros; nesta situação, os casos humanos ocorrem quando uma pessoa não vacinada entra em uma área silvestre e é picada por mosquito contaminado.

 

 


Publicado em: Saúde






Veja Também





Links Patrocinados